Em Panarbora, “caminhe” na copa das árvores

N°.20161124

Por: Claudio Schapochnik

O circuito junto à copa das árvores (foto D.Ketz/divulgação Panarbora)

O circuito junto à copa das árvores (foto D.Ketz/divulgação Panarbora)

CLAUDIO SCHAPOCHNIK
Enviado a Waldbröl/Alemanha

Além de darem oxigênio, frutos, flores e sombra, por exemplo, as árvores também são lugares de refúgio para seres humanos e animais.

No livro O Barão nas Árvores (editado no Brasil pela Companhia das Letras), do ótimo escritor italiano nascido em Cuba, Italo Calvino (1923-1985), que li há muitos anos, as árvores servem como refúgio. Calvino narra a a história de Cosme Chuvasco de Rondó que, ao discutir com os pais, subiu em uma árvore e de lá nunca mais desceu à terra.

Estrutura é excelente

Estrutura é excelente

Meu pai, Edison Schapochnik (Z´L), que neste dia 25 de novembro completa dois anos que nos deixou aos 83 anos – e que esteja com Deus, amém –, me contou, certa vez, que também tinha uma relação de refúgio com a árvore.

“Toda vez, quando criança, que eu aprontava, corria da minha mãe e subia numa árvore no quintal de casa. Ela ia atrás de mim e, com uma vara na mão, pedia para eu descer”, contou-me uma vez meu pai, dando risadas, se referindo à minha vovó Sarah, falecida nos anos 1970, e à residência da família Schapochnik na cidade de Cruzeiro, no interior paulista.

Estas duas reminiscências eu tive ao caminhar junto à copa das árvores no lindo parque alemão Panarbora, localizado numa cidadezinha no Estado da Renânia do Norte-Vestfália – não muito distante de cidade como Colônia e Bonn. Estava com um grupo de jornalistas.

Turistas caminham na passarela

Turistas caminham na passarela

Altura maior da passarela chega a 23 metros de altura

Altura maior da passarela chega a 23 metros de altura

Único na Europa que oferece a possibilidade de caminhar entre as copas das árvores, o Panarbora é mais uma prova do sério compromisso dos alemães com o meio ambiente, mas de um modo mais descontraído pois mescla educação ambiental e turismo. Como sempre também na Alemanha, tudo lá é acessível: cadeirantes podem passear sem qualquer problema.

O circuito junto à copa das árvores tem quase dois quilômetros de extensão e uma altura máxima de 23 metros acima do nível do solo. A passarela é bem resistente e dá um medinho, sim, olhar para baixo. A área preservada com mata equivale a 11 campos de futebol.

Outro modo de observar as árvores, mas bem acima da altura média das copas, é subir no alto da torre de observação de 40 metros de altura. Possui 1.635 metros de extensão na forma circular. Foi construída de tal forma que não se cansa até chegar no topo. Lá do alto, com o tempo bom, dá para observar algumas cidades próximas.

A torre de observação tem 40 metros de altura e, acredite: a subida é suave

A torre de observação tem 40 metros de altura e, acredite: a subida é suave

Eu não visitei, mas o Panarbora também oferece uma parte hoteleira. Dá para se hospedar em quartos construídos junto à copa das árvores. Deve ser demais! Mas fica para uma próxima

ASSISTA AO VÍDEO SOBRE O PARQUE:

SERVIÇO:
Parque: www.panarbora.de
País: www.germany.travel

O TurismoEtc viajou a convite do Centro de Turismo Alemão (DZT), com seguro de viagem da Intermac Assistance

Sanchat – Cuba
RDC Hotels Home

Assine nossa newsletter

Verifique os dados digitados no formulário